PESSOAS QUE ACOMPANHAM E CURTEM ESSA HISTÓRIA

C O M P A R T I L H E

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

PISCICULTURA É UMA ALTERNATIVA VIÁVEL EM FLORESTA AZUL


Texto Arnold Coelho – Antonio Lima e Álvaro Caldas

O município de Floresta Azul sempre teve como base de sua economia a cultura do cacau e pecuária de corte e leite. As grandes propriedades rurais (fazendas) sempre foram o termômetro da sua economia e por décadas regiam a renda per capita local. O município está localizado na região Sul da Bahia, em uma microrregião conhecida mundialmente como Região Cacaueira. A chegada da Vassoura de Bruxa na década de 80 dizimou grande parte das fazendas de cacau, tirando milhares de trabalhadores rurais do campo e jogando-os para as beiradas da cidade. Muitos foram embora rumo ao Sul e Sudeste do país em busca de uma vida melhor. Foi o início do êxodo rural na região.




Com a quebra da região cacaueira, Floresta Azul não fugiu à regra e passou os últimos trinta anos tentando se reinventar. A construção de uma represa com mais de 4 quilômetros de extensão surgiu no governo do prefeito Raimundo Silva Cardoso, que através do Governo do Estado da época conseguiu recursos da ordem de 16 milhões de reais para sua construção. Hoje essa represa abastece os municípios de Floresta Azul, Firmino Alves e Santa Cruz da Vitória e trouxe novas perspectivas para essas três cidades que viu, além da solução para os problemas da água local, o nascimento de uma nova cultura. A piscicultura passou a fazer parte do dia a dia dessas cidades e já agrega trabalho e renda para os moradores locais.




A Associação de Agricultura e Piscicultura de Floresta Azul encontra-se implantada há três quilômetros da cidade, às margens da represa, e conta com 16 famílias associadas que trabalham e tiram o sustento do peixe criado em cativeiro. São 40 gaiolas, sendo que 25 estão em pleno funcionamento, produzindo em média 500 tilapias por gaiola e dando uma produção de aproximadamente uma tonelada de peixe por mês. A Associação foi criada com recursos do Governo Estadual e conta com apoio técnico da Ceplac, Sebrae e Bahia Pesca, que fornece os alevinos.




O presidente da Associação, Antônio José de Jesus Vicente, disse que boa parte da produção é vendida para outras cidades, mas o dinheiro ganho com a venda dos peixes fica todo no município. “Essa represa nos deu a oportunidade de trabalhar e sustentar nossas famílias. São 16 pessoas que vivem do peixe aqui pescado. Já existe também uma parceria com a Associação do Limoeiro, que adquiriu uma gaiola e cria aproximadamente 500 peixes através do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA)”, disse Antônio Vicente.


O pescador Antônio Macêdo dos Santos disse que também é agricultor na região do Barbado e que o surgimento dessa represa lhe deu uma nova fonte de renda. “A pesca tem ajudado muito, pois é uma renda extra, mas sinto a falta de uma Casa de Farinha na minha região, que é grande plantadora de mandioca. Espero que um dia o poder público municipal construa uma para aquela região”, disse Antônio.




POTENCIAL TURÍSTICO

O entorno da represa é cercado por uma estrada e diversas fazendas, que dão ao morador da região um espaço de lazer nos finais de semana com passeio de barco, uma boa pescaria, além de caminhadas e passeio de bicicleta, moto ou carro. O turismo ecológico está em alta no mundo e tem crescido na região.




VISITA
O professor Soares Neto, o diretor de Meio Ambiente de Ibicaraí, Álvaro Caldas e esposa, além de representantes da imprensa de Coaraci, Ibicaraí e Floresta Azul, estiveram presentes na represa e nas dependências da associação e acompanharam de perto todo o processo de criação e venda dos peixes.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

faça comentários, críticas, elogios e/ou sugestões. Este site não publica ofensas

FLORESTA AZUL

FLORESTA AZUL
MAPA DA CIDADE

FLORESTA AZUL

FLORESTA AZUL
MAPA TERRITORIAL

Mapa das Torcidas

PARTICIPE